O Ecomuseu

Ribeira de Pena é um concelho de fronteira entre o Minho e Trás-os-Montes, onde se encontram o Alvão, o Barroso e o próspero vale do Tâmega. Fruto desta situação, possui um património rico e peculiar, de contrastes e simbioses que estão na origem de uma identidade muito própria caracterizadora da sua comunidade.


O Ecomuseu de Ribeira de Pena pretende preservar e divulgar o património cultural da comunidade ribeirapenense, assim como promover e dinamizar a ação cultural na sua região de implantação.










sexta-feira, 27 de março de 2020

Museu da Semana 1 - Exposição "Memórias da Terra"

A Exposição

“Quem segue do Arco de Baúlhe, pela estrada que passa a Ponte de Cavês, para Ribeira de Pena, após ter percorrido uns bons quilómetros, encontra de surpresa esta povoação no centro de um formoso vale, que constitui uma das mais formosas paisagens do Norte do País, aliando às belezas da província minhota a imponência severa das serras transmontanas. O solo é exuberantemente fértil e as suas produções agrícolas podem contar-se entre as melhores das regiões limítrofes.”

Américo Costa in "Dicionário Corográfico de Portugal, Vol.X"


O concelho de Ribeira de Pena apresenta uma dualidade que se reflete na paisagem, fruto da sua situação fronteiriça, denunciando grandes semelhanças com a região do Entre-Douro-e-Minho nas zonas de vale, enquanto nas zonas sob influência do Alvão e do Barroso se evidencia já clara influência transmontana.

A paisagem é ainda marcada por um povoamento disperso, de onde sobressaem os solares, igrejas e capelas ricamente decoradas. Esta paisagem, dominante nos vales e encostas, contrasta com a realidade das serras, onde é visível o domínio dos pastos, da criação de gado e da pastorícia, entre um povoamento aglomerado, de modestas construções e uma paisagem agreste dominada pela vegetação serrana.

A predominância da agricultura na economia local levou ao enraizamento de toda uma série de tradições associadas a esta atividade no seio da população do concelho de Ribeira de Pena, tradições que ainda hoje se praticam constituindo momentos de reunião e de grande animação. São elas as marcas da identidade local que fazem parte da memória coletiva da comunidade.

Esta exposição surge em homenagem ao artesão Américo do Enjeitado que se inspirou nas tradições da sua terra, Cerva, para criar as peças de artesanato que aqui se apresentam. O legado que deixou reflete não apenas as principais tradições e construções da sua freguesia, mas as imagens que caraterizam todo o concelho ribeirapenense.


A Agricultura
  
“Em Portugal, até há poucos decénios, as actividades agrícolas constituíam praticamente, com a pesca e o pastoreio, as formas únicas da vida do povo; e ainda hoje elas ocupam um lugar primordial no quadro geral da economia do país (…).”

Ernesto Veiga de Oliveira in "Alfaia Agrícola Portuguesa"


As Vessadas

“O morgado de Linhares (…) mandava-a chamar todos os anos infalivelmente para a sua vessada (…).”

Júlio de Lemos in "Campesinas (Quadros do Minho)"
 

 O Vinho 

“(…) na paisagem ondulante desse amplo território, as videiras estão em todo o lado. (...) A sua presença, ainda que geralmente dissimulada, constitui uma das mais profundas e originais marcas da agricultura do Entre Douro e Minho.”

Manuel Carvalho in "Cores do Vinho Verde"


O Linho

“Os atoalhados e colchas de Limões, ou de Basto (designação esta por que também são conhecidos) diferem no entanto dos fabricados no concelho de Felgueiras; o seu aspecto é o do felpo mecânico e são sem dúvida os mais perfeitos que se fazem no género.”

Manuel Geraldes in "Monografia sobre a Indústria do Linho no Distrito de Braga"


O Milho

No Noroeste, nada muda facilmente. Nesse imenso território, só os Romanos e o milho foram capazes de produzir revoluções profundas.

Manuel Carvalho in "Cores do Vinho Verde"

Os Espigueiros                                                             Os Moínhos 

 

Cerva

“Eram seus donatários os Marqueses de Marialva. (…) É terra muito fértil e cria muito gado e caça.”

Pinho Leal in "Portugal Antigo e Moderno – Volume Segundo"








quarta-feira, 25 de março de 2020

Museu da Semana 1 - O Museu da Venda Nova


O Museu da Venda Nova foi o primeiro museu do concelho de Ribeira de Pena. Instalado no edifício da antiga Câmara Municipal, que aqui funcionou durante séculos até ao século XX, este museu é um espaço de contacto com a cultura identitária da comunidade ribeirapenense, permitindo conhecer as tradições, os hábitos, os saberes e o folclore que lhe está associado. Aberto ao público em 2007, a ação deste museu tem sido marcada por um conjunto de exposições temporárias de exploração do património etnográfico local, envolvendo sempre a participação da comunidade que preserva vivas essas mesmas tradições.


A dinâmica cultural no Museu da Venda Nova

Exemplo dessa ação é a exposição “O Ciclo do Linho”, que antecedeu a criação do Museu do Linho em Limões, exposição organizada com a envolvência ativa das cooperativas de artesanato do concelho, ou a exposição “O Carnaval da Venda Nova”, que envolveu ativamente a Associação Cultural e Recreativa de Balteiro. Hoje este museu acolhe a exposição “Memórias da Terra”, que se debruça sobre as tradições agrícolas do concelho tendo por base as miniaturas do Sr. Américo do Engeitado, artesão de Alvite que criou um conjunto de miniaturas das alfaias agrícolas e de elementos da arquitetura rural caraterísticos da região.


A Exposição Memórias da Terra

Este museu acolhe ainda as reservas museológicas do Ecomuseu, onde são preservados os objetos e vestígios de interesse histórico, artístico ou etnográfico que não integram ainda nenhuma exposição.

 

As reservas museológicas do Ecomuseu

O edifício é, por si só, um elemento de relevo para a história do concelho de Ribeira de Pena, que durante vários séculos esteve sediado neste local, antes da transferência da Câmara Municipal para junto da Igreja Matriz de Salvador na década de 1920. A assinalar esta herança histórica preserva-se junto ao museu uma réplica do pelourinho que existiu neste local,  atribuindo ao conjunto um enquadramento de particular beleza. O edifício preserva também as grades da prisão municipal que funcionava no rés-do-chão.



A "Cadeia" e o Pelourinho - marcas do passado

Em 2013 marcou a inauguração do Ecomuseu de Ribeira de Pena, que aqui ficaria sediado até 2017, altura em que o Gabinete Técnico se instala no Museu da Escola. Ainda hoje é possível conhecer neste espaço a rede de museus do Ecomuseu, junto à recepção do museu, onde se mantém uma exposição de apresentação dos vários espaços que o integram.

 

Exposição "Uma rede, um roteiro" percorrendo os espaços do Ecomuseu

O simbolismo histórico que possui e a aproximação que faz entre o visitante e a comunidade faz deste museu um espaço incontornável a visitar ou revisitar para quem vem a Ribeira de Pena.

 

 

Visite a página do Museu

Veja aqui mais fotos


segunda-feira, 23 de março de 2020

Ecomuseu promove Ação "Museu da Semana"


Ao longo das próximas semanas o Ecomuseu de Ribeira de Pena irá dinamizar a ação online “Museu da Semana”. Esta atividade surge no sentido de reduzir o impacto do encerramento dos museus no âmbito do surto COVID-19, aproximando desta forma os museus dos seus visitantes através dos meios digitais.
Assim, todas as semanas será dado destaque a um dos espaços do Ecomuseu nas suas páginas das redes sociais, permitindo desta forma a sua visita virtual.

Esta ação será desenvolvida no blog do Ecomuseu e na página do Facebook, a que poderá aceder pelos links abaixo.

Facebook


Ecomuseu disponibiliza vídeos online


O Ecomuseu de Ribeira de Pena colocou disponíveis na Internet os vídeos dos Roteiros Camiliano e Maria Moisés.

Estes vídeos, até agora utilizados para introdução às visitas ou em contexto escolar, ficam agora disponíveis para visualização online, permitindo o acesso remoto aos locais e às obras camilianas que lhes estão intrinsecamente ligadas.

Os vídeos encontram-se disponíveis nos links abaixo:

Roteiro Camiliano

Roteiro Maria Moisés


quarta-feira, 18 de março de 2020

Covid19 – Reunião Da Comissão Municipal De Proteção Civil

A Comissão Municipal de Proteção Civil reuniu, no dia 16 de março, na Casa da Cultura-Museu da Escola de Ribeira de Pena, para efetuar um ponto de situação sobre a evolução da situação do COVID-19.

Nesta reunião estiveram representados a Câmara Municipal de Ribeira de Pena, os Bombeiros Voluntários de Cerva, a GNR Ribeira de Pena, a GNR- UEPS Ribeira de Pena, a Autoridade de Saúde Municipal, a Santa Casa da Misericórdia de Cerva, a Santa Casa da Misericórdia de Ribeira de Pena e a Associação Florestal de Ribeira de Pena. Participaram ainda os presidentes das cinco juntas de freguesia e a enfermeira da Unidade Móvel de Saúde.

O Presidente da Câmara Municipal de Ribeira de Pena, João Noronha, informou os presentes das medidas aprovadas ao nível da Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega CIM-AT.

A Autoridade Municipal de Saúde deu conta da situação epidemiológica e salientou que no Alto Tâmega não há casos confirmados. As forças de segurança informaram as medidas que estão a ser implementadas.

Durante a reunião foi demonstrada preocupação com a circulação no concelho de trabalhadores transfronteiriços.

Nesta reunião, foram sinalizadas as fragilidades do território e as dificuldades que podem ocorrer perante um cenário mais complexo. Foi discutida a implementação de um plano de ação para acorrer às necessidades da população idosa, mais isolada e vulnerável.

As entidades representadas comprometeram-se a trabalhar em conjunto em prol da saúde pública, para enfrentar e superar esta pandemia.

sexta-feira, 13 de março de 2020

AVISO - Encerramento dos Museus


Informamos que por recomendação do Governo e da Direção-Geral de Saúde e no sentido de acautelar a saúde pública decorrente do surto de COVID 19, a Câmara Municipal de Ribeira de Pena deliberou o encerramento ao público dos museus que integram o Ecomuseu de Ribeira de Pena por tempo indeterminado.

Assim, e até que as condições permitam a sua reabertura, estarão encerrados ao público os seguintes espaços:

Casa da Cultura-Museu da Escola

Museu da Venda Nova

Casa de Camilo|Friúme

Museu do Volfrâmio

Museu do Linho

Estão também suspensas todas as atividades pedagógicas e visitas guiadas aos museus e roteiros culturais.

Para mais informações contactar o Gabinete Técnico do Ecomuseu.


quarta-feira, 11 de março de 2020

Aviso - Cancelamento das Atividades


Informamos que por recomendação da Unidade de Saúde Pública do ACES do Alto Tâmega e Barroso e no sentido de acautelar a saúde pública, a Câmara Municipal de Ribeira de Pena suspendeu a realização das atividades da Semana Camiliana, previstas para a semana de 16 a 21 de Março de 2020.
Está igualmente suspensa a realização da Caminhada Camiliana prevista para dia 21 de Março de 2020.

+ info


terça-feira, 3 de março de 2020

Caminhada Camiliana - Inscrições Abertas


Para assinalar o aniversário do nascimento de Camilo Castelo Branco, o Município de Ribeira de Pena, através do Ecomuseu, irá organizar no dia 21 de março de 2020 uma caminhada percorrendo locais de interesse camiliano no Vale de Ribeira de Pena.

A caminhada de cerca de 5 km permitirá conhecer locais ligados à vida e obra do escritor, alguns menos conhecidos por ficarem fora dos roteiros orientados, sendo por isso uma rara oportunidade para os conhecer. Em cada local haverá uma interpretação histórica e literária, permitindo aos visitantes conhecer as histórias, memórias e simbolismos envolvidos pelas mesmas paisagens que inspiraram Camilo.

As inscrições são gratuitas e obrigatórias e devem ser realizadas até dia 19 de março de 2020 pelos contactos do Ecomuseu.

Inscrições Online

+ info


Semana Camiliana


De 16 a 21 de março de 2020, semana em que se assinala o aniversário do nascimento de Camilo Castelo Branco, o Ecomuseu de Ribeira de Pena irá promover um conjunto de visitas guiadas a locais selecionados do Roteiro Camiliano destinadas aos alunos do Agrupamento de Escolas de Ribeira de Pena e outras instituições do concelho.

No dia 21 de março será organizada mais uma edição da Caminhada Camiliana que percorrerá este ano locais menos conhecidos do vale de Ribeira de Pena ligados ao escritor.

A caminhada será aberta ao público e terá inscrição gratuita!

+ info